Divulgação/Sanepar

As chuvas intensas que atingiram a região de Curitiba vem contribuindo para aliviar o nível dos reservatórios da Sanepar, que estão em média 29,37% nesta sexta-feira.

Entretanto o rodízio no abastecimento na capital não vai acabar, as pessoas ainda precisam economizar água, embora a quantidade geral de cerca de 40 mm de chuva onde tinha que chover descarta, por enquanto, a necessidade de uma rigidez maior da medida por parte da Sanepar.

Segundo a estatal, o reservatório de Piraquarara 2 tem 56,87%, o de Passaúna tem 36,54%, o de Piraquara 1 com 23,07% e o de Iraí, o mais seco, com 16%. Caso a capacidade média dos reservatórios que abastecem a região chegue a menos de 25%, a Sanepar estuda ampliar o rodízio para, por exemplo, dois dias sem água a cada um dia com água (24 horas/48 horas). Na quinta-feira (8), o índice era de 28%, que subiu para 29,37% após a chuvarada.

Julio Gonchorosky, diretor da Sanepar, explica que as chuvas dos últimos dias foram boas. A medição própria da Sanepar, até as 8h desta manhã de sexta-feira, indicava que a média geral das chuvas já chegava a 40 mm, com expectativa de que atingisse 50 mm até o fim do dia.

“Apesar de terem sido chuvas mais espalhadas, elas caíram onde era preciso. A conta que fazemos, normalmente, é que a cada 100 mm de chuva ganhamos 30 dias no abastecimento. Chovendo 50 mm, ganhamos 15 dias”, diz Gonchorosky.

A Sanepar aponta que as chuvas foram boas, mas infelizmente, mal distribuídas. No alto da Serra do Mar, por exemplo, área importante para os rios Iraí, Miringuava, Piraquara, choveu quase 90 milímetros. Já na Barragem do Iraí, choveu 40 mm, no Passaúna, 25 mm, na Barragem do Piraquara II, 10 mm. A companhia também destacou que a chuva duradoura ajudou a encharcar o solo, o que contribui para que a água escorra de forma mais lenta. Segundo a Sanepar, isso é bom para reter a água na região.

“Tem previsão de chuvas boas para hoje à tarde, que daí vão se somar e chegar à média de 50 mm, o que distancia a adoção de um rodízio mais duro de 48 horas por 24 horas. Quando chove 100 mm, ganhamos um mês no abastecimento. Se chover 50 mm, ganhamos duas semanas”, diz Júlio Gonchorosky.

Fonte: Tribuna do Paraná

RECOMENDADOS:

Deixe uma resposta