Ratinho

Nesta quinta-feira (13), às 14 horas, o governador do Paraná, Ratinho Júnior, deve assinar um convênio com a Rússia para produzir a vacina Sputnik V. O anúncio foi feito horas após o presidente russo, Vladimir Putin, divulgar a vacina como a primeira registrada no mundo.

O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) será responsável por todas as etapas, desde a pesquisa até a distribuição da vacina.

Ainda segundo o governo, o passo seguinte à assinatura do acordo é o compartilhamento do protocolo russo com a Anvisa, para que seja feita a liberação dos procedimentos necessários para os testes.

Vacina russa

O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou que a Rússia é o primeiro país do mundo a registrar uma vacina contra a covid-19 nesta terça-feira (11).

Ainda assim, especialistas internacionais questionam a pesquisa porque não há publicações científicas sobre sua eficácia.

Nesta terça (11), a OMS comentou o anúncio da vacina russa. A entidade declarou que a Rússia “não precisa de sua aprovação” para registrar a vacina, e que precisará ter acesso aos dados da pesquisa para avaliar a eficácia e segurança da imunização para aprová-la.

O Brasil vai participar da fase 3 dos estudos clínicos, que deve ter início na quarta-feira (12). Ao todo, vão ser 2 mil participantes; além dos brasileiros, deve haver voluntários da própria Rússia, dos Emirados Árabes, da Arábia Saudita e do México.

Pesquisa no Tecpar

Ao anunciar a parceria com a Rússia, o presidente do Tecpar, Jorge Callado, disse que está otimista com a possibilidade de ter resultados positivos com a imunização. Contudo, ressalta que a produção e distribuição serão pautadas pela segurança e prudência.

Somente após a autorização da Anvisa, o governo do Paraná afirma que vai avançar para as próximas etapas do processo.

Sobre a parceria entre o estado e o governo russo, Callado contou que o Tecpar foi procurado pela embaixada Russa porque o instituto é reconhecido pela inovação.

Pesquisas

Ao todo, 165 vacinas contra o coronavírus estão sendo pesquisadas em todo o mundo. Cinco dessas imunizações estão na fase final de testes em humanos (a fase 3).

No Brasil, há três vacinas sendo testadas contra o coronavírus.

Em julho, foi anunciado o início dos testes de uma vacina chinesa no Brasil. No Paraná, profissionais de saúde voluntários – público considerado mais exposto ao contágio – foram os primeiros a receber as doses da pesquisa chinesa.

Os testes são concentrados no Hospital de Clínicas do Paraná (HC), que pertence a Universidade Federal do Paraná (UFPR) e fica em Curitiba. O HC é um dos doze centros escolhidos para testar a vacina.

Fonte: G1

Curta nossa página no facebook: 8cc74bfbefd94a7c24d9d666a51f0623

Deixe uma resposta