(Foto: reprodução Metrópoles).

Com pouco mais de mês, o curitibano Gabriel Castro, de 34 anos, bombou nas redes sociais vendendo o pão que o viado amassou”.

Este, foi o nome dado por ele para seu empreendimento doméstico. A padaria funciona exclusivamente por delivery e trouxe um conceito diferente e inovador: além de pães saborosos, propaga com positividade a realidade da comunidade LGBTQ+.

Antes do início da pandemia, Gabriel trabalhava como ator, trapezista e DJ. Com a quarentena ele precisou se reinventar para manter as contas em dia. De quebra, ele viu uma oportunidade para desmistificar muitos conceitos homofóbicos.

“Minha intenção é botar na casa das pessoas a cultura gay. não tenho pretensão de fazer fortuna, mas quero discutir a realidade bicha com a sociedade”.

Na criação de seu empreendimento, Gabriel teve um cuidado muito especial. Todo o processo, desde o pedido até a entrega foi pensado com uma linguagem que remete à cultura gay.

E o nome “o Pão Que o Viado Amassou” surgiu em uma conversa com uma amiga. Ela perguntou onde estavam os amigos dele e a resposta foi: “Estão na sala, comendo o pão que o viado amassou”. E boom, nome criado!

Os pães que Gabriel vende custam entre R$ 11 e R$ 35. A taxa de entrega também muda, conforme a distância. Para quem quiser, pode retirar os pedidos no “Gabinete do Glitter” (casa e padaria do Gabriel).

Mesmo com pouco tempo de funcionamento, Gabriel já precisou de suporte. A irmã dele cuida da logística da padaria delivery e um amigo, o “motobofe” realiza as entregas.

(Foto: reprodução Metrópoles).

Fonte: Razões para Acreditar

RECOMENDADOS:

Deixe uma resposta