Os decretos assinados pelo prefeito de Curitiba, Rafael Greca, durante a pandemia do coronavírus comprovam que houve flexibilização no distanciamento e isolamento sociais. É o que afirmam o Ministério Público e a Defensoria Pública do Paraná, em ação conjunta contra a Prefeitura da Capital.

O pedido, em caráter de urgência, é para que o Executivo municipal apresente as comprovações técnico-científicas que embasaram o afrouxamento das regras, além de exigir que a fiscalização seja adequada e que funcione apenas o essencial.

“Os órgãos governamentais não estão gerindo a atual crise de forma satisfatória. Não há testagem de casos suficientes, o número de leitos do sistema público e privado de saúde não foi satisfatoriamente ampliado, não há controle sanitário dos infectados e não estão sendo aplicadas barreiras sanitárias para evitar contágio entre os Municípios que compõem a Região Metropolitana de Curitiba”, afirmam as instituições no documento.

“A pressão do empresariado foi bem sucedida e os governos Estadual e Municipal estão flexibilizando o isolamento social”, reforça o texto.

Segundo a ação, os decretos trouxeram um grande prejuízo sanitário, com 232 casos em 16 dias de reabertura do comércio, sendo 17 mortes.

“A reativação do comércio, tende a aumentar a circulação de indivíduos e, consequentemente, os índices de contágio por esse vírus. (…) Se não conseguia fiscalizar mínima e adequadamente quando os estabelecimentos estavam com funcionamento suspensos, agora que retomaram as atividades, muito menos o Município conseguirá.”

Para os promotores e defensores públicos, Curitiba – ao receber denúncias de que estabelecimentos comerciais não respeitavam a recomendação do Decreto 470/2020 –

“em vez de buscar observar o disciplinado e de seguir o regrado, de maneira oposta mitigou tais restrições, dando a conhecer que todas as atividades consideradas não essenciais poderiam retomar seus serviços, desde que tomassem algumas precauções”, para evitar aglomerações e garantir a higiene.

Deste modo, voltaram a funcionar também os buffets por quilo, após reunião realizada

“entre representantes da regional paranaense da Abrasel-PR e o prefeito da cidade, Rafael Greca”, revela o MP.

Diante do grande número de reclamações quanto ao funcionamento irregular de comércios,

“ao invés de propor posturas capazes de controlar e melhor fiscalizar, decidiu-se simplesmente por editar Resolução (01/2020), com a incumbência de controlar a lotação de pessoas e adotar medidas de higiene e proteção”.

Até meados de abril, não existiam cronogramas pré-definidos de reuniões, nem registros de ata de qualquer discussão ou tomada de decisão do Comitê. O fato foi questionado pelo Ministério Público e a Prefeitura então informou que, mesmo mantendo a ausência de um cronograma, havia começado, em 13 de abril, a elaborar atas.

Com a reabertura do comércio, em 17 de abril, com aval dos integrantes do Comitê de Técnica e Ética, o MP voltou a questionar a Secretaria Municipal de Saúde.

“Não se observa qualquer argumento ou fundamento técnico-científico capaz de respaldar a decisão de possibilitar o retorno das atividades não essenciais desde que preenchidos alguns parâmetros.”

Em resposta, a Secretaria

“limitou-se a reiterar sua resposta anterior, não apresentando qualquer justificativa técnica sobre o relaxamento do distanciamento e do isolamento social”, assegura o MP.

Segundo a ação, deve-se, assim, considerar as recomendações da OMS, do Ministério da Saúde e da Sesa.

Em resposta, na noite de segunda-feira (4), a Prefeitura de Curitiba informou que vai se manifestar após ser notificada.

“Cabe ressaltar, no entanto, que vêm sendo tomadas medidas de proteção e prevenção do avanço da covid-19, de acordo com as decisões do Comitê de Técnica e Ética Médica e com base nas orientações da Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde”, destaca a Procuradoria-Geral do Município, em nota.

“O decreto 470 definiu o funcionamento de serviços essenciais à população e nunca houve determinação para que se fechasse ou abrisse atividade de comércio. A Prefeitura ainda regulamentou a obrigatoriedade do distanciamento e do uso de máscaras em caso de necessidade da população sair às ruas.”

Uma ação judicial semelhante à proposta pelo Ministério e Defensoria Públicos já tramita na 5ª Vara da Fazenda Pública do TJ-PR. A pedido da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia, a Justiça exigiu da Prefeitura estudos e pesquisas científicas em que se fundamentaram as decisões de relaxamento do isolamento social. Além disso, pede a apresentação de dados científicos que demonstrem a capacidade de atendimento do sistema de saúde público e privado da capital.

Fonte: Plural

Curta nossa página no facebook: 8cc74bfbefd94a7c24d9d666a51f0623

Deixe uma resposta