A Superlua rosa, conhecida por ser a maior superlua do ano, começa na noite desta terça-feira, 7. O fenômeno, dura até a próxima quinta e marca a coincidência da Lua Cheia com o instante em que ela está mais próxima da Terra. O satélite estará maior e mais brilhante para quem observar o céu.

Apesar do nome, cunhado nos Estados Unidos, a cor da lua não se altera durante o período. Como esta época marca o início da primavera no hemisfério Norte, é comum o surgimento de uma planta com a flor rosada, fato que inspirou o nome.

“Para nós do hemisfério Sul, esse termo não faz o menor sentido. Acabamos importando esses nomes sem muita lógica. O mesmo acontece na Lua do Caçador, em novembro, que era época em que caçavam e estocavam carne para o inverno lá no hemisfério Norte” explica o astrofísico Roberto Costa, professor do Departamento de Astronomia da USP.

O baixo índice de poluição do ar durante a quarentena, em razão da pandemia do coronavírus, não melhora a visibilidade da lua. Mesmo com a pureza atmosférica, apenas as condições meteorológicas interferem na observação.

“A poluição que diminuiu foi a de gases, como poeira e fumaça. Faz diferença para a saúde, mas não para a observação astronômica feita de casa”, diz Costa.

Fonte: Exame

Curta nossa página no facebook: 8cc74bfbefd94a7c24d9d666a51f0623

Deixe uma resposta