Devido às dúvidas e reclamações geradas pela falta de gás de cozinha em estabelecimentos de Curitiba e região, o Procon-PR oficiou a Abragás para que as revendas recebam orientação, evitando o desabastecimento do produto.

O documento sugere que a venda seja limitada por consumidor, dentro do bom senso e de acordo com o estoque de cada estabelecimento, de modo a garantir o abastecimento do mercado e atender as necessidades de todos.

“Estamos acompanhando todo o processo nos estabelecimentos que vendem gás de cozinha para que não gerem problemas ao consumidor por falta do produto e aumento no preço”, explica o secretário da Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost. “Pedimos aos consumidores que não estoquem gás desnecessariamente”, reforça o secretário.

A Abragás e o Sindigás também emitiram um comunicado esclarecendo o transtorno na entrega dos produtos.

O texto explica que o atraso na reposição é resultado do aumento da procura devido à pandemia do Coronavírus e que não houve redução no fluxo de entrega do produto considerando uma demanda normal.

“O que ocorreu foi uma leve antecipação de compras por consumidores preocupados com a pandemia e o isolamento social. Repudiamos veementemente este comportamento, pois não existe motivo para subida acentuada do preço”, diz a nota.

Além disso, o Procon, em conjunto com a Delegacia do Consumidor, está apurando denúncias de aumentos abusivos praticados na revenda dos botijões.

“A constatação dos abusos resultará em multas que variam de R$ 600 a R$ 8 mil, além da aplicação das sanções penais cabíveis”, diz a chefe do Procon-PR, Claudia Silvano.

Fonte: AEN

Curta nossa página no facebook: 8cc74bfbefd94a7c24d9d666a51f0623

Deixe uma resposta